Flora

“Se vocês não gostaram das notícias que acabaram de escutar, saiam de suas casas e façam outras” citado por Eduardo Galeano. 

A grande batalha está prestes a acontecer.

Flora verifica os últimos detalhes com Índio – seu braço direito, mentor e protetor , Elias – do Conselho do Povo da Defesa Aérea e Marta, Conselho do Povo da Defesa Marítima, dentre outros conselheiros. Os informes mundiais dão ânimo ao Exército Negro, porém todos estão apreensivos: o ataque será por ar, mar e terra. Os Vermes Gigantes farão o confronto final.

No longínquo ano de 2020 o mundo foi tomado por um vírus fatal que quase dizimou a humanidade. A guerra das vacinas se alastrou como o vírus e as indústrias farmacêuticas travaram grandes batalhas. A pressa, a disputa, fez com que as fabricassem sem os devidos testes. Os países ricos foram os primeiros compradores. Os ricos os primeiros a tomarem. Foram de fato imunizados, mas uma grande mutação aconteceu: de seres humanos se transformaram em vermes gigantes. Como as doses não eram suficientes, a América Latina, África e uma parte da Ásia, praticamente ficaram de fora, da imunidade do vírus fatal e também da mutação.

O cenário que se seguiu foi devastador: crise econômica sem precedentes, mortes pelo vírus fatal e uma parte da humanidade mutante. Restava aos países pobres se unirem no combate. Enquanto os Vermes Gigantes se espalharam pelos países ricos, Haiti começou uma revolução depondo o governo. Alastrou-se pela América Latina e África. Foi criada a Confederação Socialista. Seu símbolo era um punho cerrado, resgate dos Panteras Negras.

No Brasil, o Instituto Butantã e Fundação Osvaldo Cruz, sob o controle dos trabalhadores, conseguiram  fabricar a vacina categórica contra o vírus. Os revolucionários a distribuíram gratuitamente aos habitantes da Confederação. A grande dificuldade era atingir os pobres dos países ricos, agora dominados pelos Vermes Gigantes.

A luta foi atroz. Os Vermes eram – aparentemente – invencíveis. Além de gigantes, capazes de esmagarem dezenas de uma vez só, soltavam um líquido verde paralisante. Eles se alimentavam de sangue humano e animal. Eram os novos Nosferatus. Os pobres tinham praticamente três opções: ser alimento, ser serviçal atendendo as necessidades dos Vermes ou ser da Resistência Negra, organização treinada pelo Exército Negro da Confederação socialista. Com os Vermes Gigantes a Terra seria desolada. A luta de classes adquiriu novos contornos: humanos pobres versus vermes gigantes.

Flora, Índio, Elias e Marta moravam numa comunidade pobre antes do grande desastre. Lá foram reunidos imigrantes refugiados, índios desalojados de suas terras, os sem moradias, os sem nada. Eles foram aprendendo línguas diferentes, a sabedoria dos pobres e índios, a manejarem arcos, armas; aprenderam capoeira e artes marciais. Flora, negra, filha de refugiados haitianos. Seu pai fora assassinado por policiais – prática bastante comum nos anos 20. Sua mãe foi infectada pelo vírus e faleceu. Sua família ficou sendo Índio, Elias e Marta. Quando a pandemia se concretizou a comunidade se viu abandonada pelo Estado. Organizaram-se em comitês para sua própria defesa e alimentação. Foram educados por um partido socialista e revolucionário que os ensinaram as lições da revolução russa em seus primeiros anos. Aliaram-se com o Movimento dos Sem Terra. Assim se mantiveram. Quando a revolução se alastrou, a comunidade a liderou no Brasil. Tomaram bancos, as fábricas, os hospitais. Os trabalhadores, os pobres, começaram a gerirem tudo. Tomaram a história em suas mãos. Internacionalistas, foram cruciais na expansão da revolução. Fizeram um chamado e construíram a Confederação Socialista, o Exército Negro e a Resistência.

A grande questão era como matar os Vermes Gigantes. Exterminá-los. Tentaram muitas hipóteses: tiro, punhal de prata, bala de prata, raios do sol, banho de lua, sangue envenenado… Nada. Nada os matavam. Foram os franceses da Resistência quem finalmente descobriram a arma fatal: decepar a cabeça. A luta entre os humanos e os Vermes Gigantes se travou em todos os continentes. A Terra era um imenso campo de guerra. Os Vermes Gigantes também se organizaram num exército. 

Antes da batalha final, Flora verifica os detalhes. Ela, Elias e Marta ainda tem tempo para uma grande trepada. E transam como se o mundo fosse acabar. De todas as formas. Beijos, carícias, mãos, línguas, tudo a serviço do gozo. Prazer. Orgasmo. Estão prontos!

A grande batalha se aproxima.

Alvo principal: Flora, comandante do Exército Negro.

P.S. 1- Este conto de ficção científica é fraco, bem sei, mas foi muito divertido escrevê-lo.

P.S. 2 – Lendo um artigo de El País, 25.07.20, sobre Octavia E. Butler, escritora negra norte-americana de ficção científica, é que me veio a ideia. Ela, cansada de ficção científica ruim e de brancos, passou a escrevê-la tendo negros e negras como protagonistas. Claro que ela não tem nenhuma responsabilidade por este conto. Fiz o melhor que pude, ela que me perdoe. 

P.S. 3 – Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência. 

Léo

9 comentários em “Flora

  1. Achei que o enredo tem muito potencial, da pra desenvolver isso até mesmo em um romance distopico. Fiquei me perguntando se não teria uma continuação ou se havia uma primeira parte. Show 👏🏾

    Curtido por 1 pessoa

  2. Achei divertidíssimo. Sinto falta disso mesmo, de ficção cientifica que tenham como ponto de partida/ponto de vista países periféricos. E a história funciona num nível metafórico também, ajuda a digerir o que esta acontecendo no mundo. Se fosse sugerir algo, bom, nem mesmo vermes gigantes espalhados pelo mundo seriam suficientes para reduzir a desigualdade existente no nosso país. Senti falta, de sei lá, uma elite brasileira dizendo que ser verme é que é o futuro, que nosso país deveria se aliar aos vermes ou qualquer outra coisa nessa linha.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Que bom que achou divertido. Quanto aos apontamentos que fez, achei interessante. É que aqui a revolução aconteceu, os trabalhadores tomaram conta de tudo… assim os vermes daqui não tiveram chance (risos).

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s